LAFUC © 2016. Criado com Wix.com

Boana buriti (Caramaschi and Cruz, 1999)

Boana buriti - Carvalho D
00:00 / 00:00

Nome popular : Perereca de pijama.

Biologia: Espécie de perereca de tamanho médio, pertencente ao grupo pulchellus (Faivovich et al, 2005). Coloração dorsal composta por quatro faixas largas branco-prateado, intercaladas por faixas estreitas de cor marrom, dispostas longitudinalmente. O padrão de faixas branco-prateado e marrom é encontrado nos membros anteriores e posteriores. Na vista lateral, uma faixa longitudinal de coloração marrom se estende da ponta do focinho, passa o olho até a inserção da coxa. O comprimento da cabeça é maior que a largura, focinho ligeiramente afilado em vista dorsal. Membros anteriores delgados, antebraço mais robusto que o braço. Comprimento da coxa maior que o comprimento da tíbia, sendo a soma do comprimento da tíbia e coxa igual ao comprimento rostro-ventre. Discos adesivos pequenos e membranas interdigitais pouco desenvolvida (Caramaschi e Cruz, 1999).  

Habitat e Ecologia: São encontrados em arbustos próximos a poços permanentes ou temporários, situados em áreas abertas de fisionomias típicas de Campo Limpo e Campo Rupestre no bioma Cerrado.   

Distribuição: Espécie conhecida para somente em três localidades. Ocorre no estado de Minas Gerais, nos municípios de Buritis e Paracatu. No Distrito Federal é conhecida somente na Fazendo Água Limpa, UNB (Caramaschi e Cruz, 1999; Braga et al, 2010, Frost, 2014). Todos os registros estão localizados no Planalto Central Brasileiro, em altitudes superiores a 900 metros (Braga et al, 2010).

Etimologia: O nome da espécie é devido a localidade-tipo, Buritis, em MG, e também devido à palmeira buriti (Mauritia vinifera).

 

Ameaças: Expansão das fronteiras agrícolas constitui a maior ameaça a espécie, que já possui distribuição bem específica.  

Figura 2: Amplexo de B. buriti. Foto: Afonso Meneses

Figura 3: Distribuição da espécie no Distrito Federal.

Próxima página >>