LAFUC © 2016. Criado com Wix.com

Boana raniceps Cope, 1862

Boana raniceps - AAG
00:00 / 00:00

Nome popular : Perereca-do-Chaco, perereca-chaquenha.

Biologia: Espécie de perereca de tamanho grande e corpo esguio, pertencente ao grupo albopunctatus (Faivovich et al, 2005). É caracterizada por possuir coloração dorsal em tons de marrom-claro ao amarelo-pardo, com ou sem um padrão de faixas transversais irregulares de cor marrom, também presentes nas coxas e tíbias. Possui uma linha de coloração marrom-escuro que se inicia no focinho e segue contornando a prega supra-timpânica. Maxila inferior de cor branca. Cabeça acuminada, mais comprida do que larga. Tamanho do tímpano metade do tamanho do olho. Sacos vocais grandes. Discos adesivos distintos, pequenos nas mãos e grandes nos artelhos. Membros esguios. Antebraço mais robusto do que o braço (Cope, 1862; Norman, 1994).  

Habitat e Ecologia: Espécie do grupo albupunctatus mais abundante, associada a áreas abertas. Utiliza brejo e lagos, naturais ou artificiais, temporários ou permanentes, durante o período das chuvas. É encontrado em atividade reprodutiva em lagos em matriz de pasto. Tolerante a modificações no habitat. Recentemente encontrada em áreas abertas no bioma Mata Atlântica, no estado de São Paulo (Zina et al 2010). 

 

 

Distribuição: No Brasil está presente em praticamente todos os biomas brasileiros, incluindo: Floresta Amazônica, Caatinga, Cerrado e Mata Altlântica. Está presente em nos estados do Amazonas, Pará, Amapá, Rondônia, Roraima, Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Pernambuco, Sergipe, Paraíba, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, São Paulo, Tocantis, Paraná e Distrito Federal (Zina et al, 2010; Frost, 2014)

Ameaças: Espécie não ameaçada.

Fase larval: Comprimento total 57,58 ± 8,07 milímetros (52,6 -66,9 milímetros). Corpo em formato globular, ovóide em vista dorsal e globular / deprimido em vista lateral. Focinho oval em vista dorsal e arredondado em vista lateral. Olhos pequenos dorsalmente dirigidos. Espiráculo sinistral, longo e estreito, abertura no terço posterior do corpo, com a parede centrípeta não fundido com a parede do corpo. Disco oral ventral, de fileira uniseriada com papilas marginais pequenas, triangulares, com um ou dois submarginal papilados lateralmente. Fórmula oral 2 (1,2) / 3 (1). Coloração em vida marrom avermelhada com pequenos pontos pretos no corpo.

 

 

Figura 1: Distribuição da espécie no Distrito Federal, apenas na Estação Ecológica de Águas Emendadas.

Próxima página >>