LAFUC © 2016. Criado com Wix.com

Nossos projetos. 

Os projetos do LAFUC incluem a participação de alunos de graduação, mestrado e doutorado em Engenharia Florestal e Biologia da UnB, além de professores e/ou pesquisadores desta Instituição, convidados e parceiros de outras IES.

PROJETO: Ecologia, taxonomia e conservação da herpetofauna nas paisagens do Cerrado

Apesar do incremento no conhecimento acerca da biodiversidade do Cerrado nos últimos anos, ainda existem diversas lacunas sobre 1. Aspectos ecológicos da maior parte dos Squamata (lagartos, serpentes e anfisbenas) e Anura (sapos, rãs e pererecas) do Cerrado; 2) o encontro de novas espécies ainda é corriqueiro, indicando a superficialidade do conhecimento taxonômico de anuros e Squamata do Cerrado, bem como tais espécies novas se relacionam aos seus ecossistemas; 3) não dispomos de informações sobre a resposta da herpetofauna frente a mudanças ecológicas profundas, como a fragmentação e a remoção de hábitats e 4) o comportamento individual afeta a relação entre as populações humanas e a conservação da herpetofauna. Desta forma, o presente projeto visa A) estudar a ecologia de populações e comunidades da herpetofauna do Cerrado e suas relações com os ecossistemas e paisagens do Cerrado; B) descrever espécies novas e produzir informações de relevância taxonômica sobre a herpetofauna do Cerrado; C) descrever a dinâmica das espécies da herpetofauna frente a mudanças ambientais, como processos de fragmentação, insularização e mudanças climáticas no Cerrado, D) realizar inventários em localidades pouco conhecidas e E) estudar o comportamento das populações locais frente à herpetofauna. Tais informações são especialmente relevantes considerando a rápida conversão da paisagem natural do cerrado em paisagens alteradas por diferentes atividades humanas, notadamente o agronegócio. Muitas regiões do Cerrado, de especial relevância para a conservação, foram pedidas antes que um conhecimento mínimo sobre a herpetofauna seja produzido. Como resultados esperados, pretendemos publicar artigos nestes temas e treinar pessoal qualificado nos diferentes níveis de formação profissional (graduação e pós-graduação). Este é um projeto amplo e de longa duração, o qual visa apoiar diversos estudos ao longo do tempo no Laboratório de Fauna e Unidades de Conservação (LAFUC/EFL/UnB).. 
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. 
Alunos envolvidos: Graduação: (3) / Mestrado acadêmico: (2) . 

Integrantes: Reuber Albuquerque Brandao - Coordenador.

Ano: 2015-Atual.

PROJETO: Origens, Biogeografia e Conservação da Herpetofauna da Diagonal Aberta Sul-Americana

Os padrões de origem e diversificação da biota da diagonal aberta sul-americana são objeto de complexas discussões. Os estudos pioneiros delinearam conclusões atualmente contestadas, como a de que a Caatinga, Cerrado e Chaco possuíam baixa diversidade e endemismo em relação aos biomas florestais, formando um corredor de savanas ou uma diagonal seca do nordeste ao sudoeste da América do Sul. No Cerrado, estudos mais recentes descreveram comunidades da herpetofauna como complexas e ricas em espécies, dominadas por espécies fortemente associadas a hábitats específicos e com alto grau de endemismo. A diversidade de alguns grupos (ex. Amphisbaenidae, Teiidae, Tropiduridae, Leptodactylidae e Pseudae) é muito maior que na Amazônia. Na Caatinga, estudos posteriores revelaram uma riqueza elevada e expressivo grau de endemismo vegetal, indicando-a como uma província florística única. De uma forma geral, o conhecimento atual sobre a Caatinga indica níveis de diversidade e endemismo ordens de grandeza maiores que as avaliações iniciais e potencialmente muito maiores, visto que várias espécies recém descobertas ainda aguardam descrição e

extensas porções do bioma nunca foram adequadamente amostradas. O Chaco é uma grande planície que se estende por cerca de 1,2 milhões Km2 no Paraguai, Bolívia, Argentina e uma pequena porção do estado do Mato Grosso do Sul, Brasil. O Chaco é o bioma argentino mais afetado pelas atividades agropecuárias e desflorestamento, com uma taxa de destruição que supera a das florestas tropicais. Apesar dos níveis de endemismo para morcegos e aves serem baixos, existem muitas espécies de répteis e anfíbios únicas da região. Da mesma maneira que para a Caatinga e o Cerrado, a diversidade da fauna do Chaco foi por muito tempo subestimada. Apesar da constatação de que cada bioma representa uma entidade única, as relações próximas entre essas áreas são evidentes e refletidas principalmente pelo compartilhamento de diversos elementos da fauna e flora.

Integrantes: Reuber Albuquerque Brandao - Integrante / Guarino Colli - Coordenador / Adrian Antonio Garda - Integrante / Mesquita, Daniel Oliveira - Integrante / Gustavo Vieira - Integrante / Fernanda Werneck - Integrante / Frederico França - Integrante / Enrique Bulcher - Integrante / Gabriel Costa - Integrante / Mariana Morando - Integrante / Luciano Ávila - Integrante / Lílian Giugliano - Integrante.
Financiador(es): Ministério de Ciência y Tecnologia - Bolsa / Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Bolsa.

Ano: 2012-Atual.

PROJETO: Relaxamento Ecológico em Ilhas artificiais no Reservatório da UHE Serra da Mesa, Minaçu, Goiás

O projeto visa avaliar a ocorrência de relaxamento ecológico (diminuição de riqueza e ampliação do nicho ecológico) em ilhas artificiais do Reservatório da UHE Serra da Mesa, Minaçu, Goiás. Estas ilhas de cerrado possuem mais de 10 anos de formadas e possuem diferentes tamanhos, permitindo testar diversas previsões da Teoria da Biogeografia de Ilhas de MacArthur & Wilson (1967). Será avaliado o efeito do isolamento (insularização) sobre a morfologia, dieta e composição das comunidades de lagartos de Serra da Mesa.

Integrantes: Reuber Albuquerque Brandao - Coordenador / Mariana Eloy Amorim - Integrante / Guilherme Santoro - Integrante / Ana Carolina Ramalho Lins - Integrante / Danielly Ferreira - Integrante

Ano: 2011-2014.

PROJETO: GEPRO INFRAERO FAUNA 2009

Este projeto é de grande relevância, visto que o número de colisões entre aeronaves e diversas espécies de aves, e em menor número com a fauna terrestre apresentam uma tendência de crescimento a cada ano e têm resultado em danos materiais significativos, colocando em risco centenas de vidas humanas. A carência de infra-estrutura urbana, aliada a quase ausência ou ausência virtual de serviços básicos de limpeza, geram situações conflituosas em relação aos preceitos de segurança da navegação aérea. Acidentes com animais ocorrem em sua grande maioria, nas proximidades dos aeroportos e são causados, a priori, por atividades humanas modificadoras do meio ambiente que interferem na estrutura e dinâmica da comunidade de grupos diversos de animais. Dessa forma, a integração institucional entre união, municípios e sociedade é importante para que todos se conscientizem das causas da atração de fauna aos aeroportos e se esforcem para coibi-la, principalmente, através do depósito de resíduos em locais distantes ou mais adequados da Área de Segurança Aeroportuária.

Integrantes: Reuber Albuquerque Brandao - Integrante / Guarino Colli - Coordenador / Ricardo Bonfim Machado - Integrante / Gustavo Vieira - Integrante / Daniel Mesquita - Integrante / Miguel Trefaut Rodrigues - Integrante / Hussan Zaher - Integrante / Collevatti, Rosane - Integrante.
Financiador(es): Fundação de Amparo à Pesquisa do Distrito Federal - Auxílio financeiro

Ano: 2009-2012.

PROJETO: Herpetofauna do Cerrado: Origens, Evolução e Conservação

Em linhas gerais, o projeto visa determinar, para a herpetofauna do Cerrado em geral, e do Distrito Federal em particular, (1) os padrões da distribuição da riqueza e endemismo, (2) os processos relacionados à geração e manutenção da riqueza e (3) a dinâmica de populações e comunidades em paisagens fragmentadas, para assegurar sua sustentabilidade em longo prazo. Os objetivos específicos são os que seguem: o Reunir e interpretar dados da distribuição geográfica; o Modelar a distribuição das espécies, da riqueza e do endemismo o Identificar lacunas de amostragem e de conservação; o Identificar áreas-chave para conservação; o Investigar fatores determinantes dos padrões de distribuição geográfica (riqueza, endemismo, composição) identificados; o Conduzir análises filogeográficas dos seguintes táxons: Cnemidophorus ocellifer, Gymnodactylus carvalhoi, Lygodactylus klugei, Phyllopezus pollicaris o Investigar as relações filogenéticas entre as espécies dos seguintes táxons: Cnemidophorus (sul-americanos), Kentropyx, Phyllomedusa gr. hypocondrialis, Tupinambis, Xenodontinae o Elaborar um plano de conservação; o Subsidiar a tomada de decisão e a elaboração de políticas públicas relacionadas à conservação

Integrantes: Reuber Albuquerque Brandao - Integrante / Guarino Colli - Coordenador / Ricardo Bonfim Machado - Integrante / Gustavo Vieira - Integrante / Daniel Mesquita - Integrante / Miguel Trefaut Rodrigues - Integrante / Hussan Zaher - Integrante / Collevatti, Rosane - Integrante.
Financiador(es): Fundação de Amparo à Pesquisa do Distrito Federal - Auxílio financeiro.

Ano: 2008-2010.

PROJETO: Conservação, Ecologia e Taxonomia das Espécies de Pithecopus (Phyllomedusa) do grupo hypochondrialis

Pererecas do gênero Phyllomedusa podem ser consideradas alguns dos anfíbios mais carismáticos do mundo. Sua coloração, a pupila vertical, a presença de glândulas lipídicas na pele, a morfologia do girino, o modo peculiar de locomoção e de reprodução são características típicas destes anfíbios peculiares. Atualmente o gênero possui 26 espécies, distribuídas em quatro grupos taxonômicos. O grupo hypochondrialis é composto por nove espécies, sendo que uma delas, P. ayeaye, consta na lista oficial de espécies ameaçadas. Estudos recentes demonstraram a existência de um subgrupo de quatro espécies mais aparentadas com base na semelhança da morfologia de girinos, no uso de hábitat e no padrão de desenho dos flancos e membros. Tais espécies possuem distribuição restrita, associadas a ambientes campestres no topo de morros elevados, onde ocupam pequenos riachos de águas cristalinas. Diversas ameaças pairam sobre tais espécies, incluindo a destruição do seu frágil habitat, a distribuição extremamente pontual, o pequeno número de populações conhecidas, o desconhecimento sobre suas exigências ecológicas e a ausência de unidades de conservação nos locais de ocorrência. Além disso, os anfíbios de riachos de montanha estão entre os mais afetados por declínios registrados na 

região neotropical. Por outro lado, o padrão de ocupação dos topos de montanhas e estudos realizados em coleções cientificas sugerem que ainda existem varias espécies ainda não descritas em serras interioranas insuficientemente amostradas. Além da importância de tais espécies para a indicação da qualidade dos campos no topo de montanha, tais espécies possuem substâncias biologicamente ativas em sua pele, consideradas uma fonte promissora de novos medicamentos. Desta forma, o presente projeto possui como objetivos: 1. Localizar novas populações das espécies ameaçadas e daquelas de distribuição restrita; 2. Realizar inventários em locais com potencial para descoberta de novas espécies; 3. Avaliar parâmetros amb.

Integrantes: Reuber Albuquerque Brandao - Coordenador / Guarino Colli - Integrante / José Roberto Leite - Integrante / Natan Maciel - Integrante.
Financiador(es): Fundação O Boticário de Proteção à Natureza - Auxílio financeiro.Número de orientações: 1

Ano: 2007-2009.

Descrição: O enchimento de reservatórios de água pelo homem é uma das mais antigas, importantes e profundas intervenções humanas na natureza (Tundisi, 1996). Existem diversos trabalhos sobre os efeitos do enchimento de reservatórios, enfocando principalmente mudanças na fauna aquática (p. ex. Collart, 1991; Ferreira, 1974a; 1974b; Godinho et. al. 1991; Junk et. al. 1981; Junk & Melo, 1987; Merona et al. 1987). Em relação à fauna terrestre, existe uma quantidade bem menor de informação disponível. Não se sabe quais são os efeitos do enchimento, da grande movimentação e da mortandade e quais os destinos da fauna durante a inundação (Gribel et. al. 1987; Henriques, 1988). O enchimento do lago de Hidroelétricas leva a profundas modificações nos ecossistemas localizados nas áreas de influência do empreendimento. Isso ocorre porque a formação de um reservatório provoca a quebra da continuidade física das áreas naturais e reduz a disponibilidade de hábitats, levando à fragmentação e isolamento de populações (Zerbini & Brandão, 2001; Santos & Silva Jr. 1999).  Também modifica o regime de cheias e vazantes dos cursos d água e cria novos hábitats, selecionando espécies que não eram favorecidas na

PROJETO: Padrões de riqueza e abundância de lagartos em ilhas e margens do reservatório da UHE Serra da Mesa, Minaçu, Goiás

 paisagem natural. Durante a construção da Usina Hidroelétrica de Itaparica, foi detectada uma drástica redução na riqueza de espécies de formigas nativas, devido à introdução de uma espécie exótica (Fowler, 1992). O enchimento de uma Usina Hidroelétrica na Guiana Francesa provocou uma forte mudança nas comunidades de vertebrados (Cosson et. al. 1999). O monitoramento do impacto relacionado à formação de uma Usina Hidroelétrica é importante para medir e compreender os efeitos da fragmentação, tais como o adensamento, isolamento, extinções e invasões de populações (Tudisi, 1996). Estes estudos são de grande importância devido à ameaça que a fragmentação de hábitats representa para a conservação da fauna e flora (Meffe e Caroll, 1994; Saunder et al. 1991).

Integrantes: Reuber Albuquerque Brandao - Coordenador / Alexandre Fernandes Bamberg Araujo - Integrante.
Financiador(es): Fundação O Boticário de Proteção à Natureza - Auxílio financeiro.

Ano: 2000-2002.

Descrição: O projeto visa ampliar o conhecimento faunístico da região protegida pela Reserva Natural Serra do Tombador. Devido à grande heterogeneidade espacial da Reserva Natural Serra do Tombador (RNST) e sua relevância como área protegida, acreditamos que informações complementares sobre a composição da anurofauna, ictiofauna e da fauna de pequenos mamíferos podem apoiar o manejo da Unidade de Conservação e ressaltar a contribuição dessa área protegida para a conservação da fauna do Cerrado.

Integrantes: Reuber Albuquerque Brandao - Coordenador / Pedro de Podestá Uchôa de Aquino - Integrante / Clarisse Rocha - Integrante / Iberê Farina Machado - Integrante / Ana Carolina Martins - Integrante / Werther Ramalho - Integrante / Alexandre Portella - Integrante.

Ano: 2016-Atual.

Descrição: Estamos estudando a ecologia alimentar de anuros do bioma Cerrado brasileiro. Nosso objetivo principal é detectar a estrutura nas assembleias de anuros com base na dieta da espécie, sobreposição de nicho de alimentação e características morfológicas.

Integrantes: Reuber Albuquerque Brandao; André Barreto-Lima; Thiago Marques-Pinto.

Descrição: O Parque Estadual de Paracatu, com pouco mais de seis mil hectares, é uma relevante unidade de conservação de proteção integral do Oeste Mineiro. O parque não conta com Plano de Manejo e foi organizada uma equipe multidisciplinar para elaborar o seu plano de manejo. 
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. 
Alunos envolvidos: Graduação: (2) . 

Integrantes: Reuber Albuquerque Brandao - Coordenador / Renata Dias Françoso - Integrante / José Tadeu Veiga - Integrante / Henrique Marinho Leite Chaves - Integrante / Pedro de Podestá Uchôa de Aquino - Integrante / Luane Santos - Integrante / Carlos Eduardo Ribeiro Cândido - Integrante / Cíntia Lepesquer - Integrante / Geraldo Damasceno Jr - Integrante / Alvaro Nogueira Sousa - Integrante / Maria Tereza Montalvão - Integrante.

Ano: 2015-Atual.

Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. 
Alunos envolvidos: Graduação: (2). 
Integrantes: Reuber Albuquerque Brandao - Coordenador / Beatriz Diogo Vasconcelos - Integrante / José Marcos do Nascimento dos Santos Abreu - Integrante. 

Ano: 2017-Atual.

Descrição: O jacaré-paguá (Paleosuchus palpebrosus) ocorre em diversos ambientes aquáticos no Brasil. No Cerrado habita riachos, veredas e lagoas oligotróficas (pobres em nutrientes) com águas claras, frias e com altos níveis de oxigênio. No oeste da Bahia, tais ecossistemas ocorrem nas cabeceiras dos riachos localizados em regiões fortemente afetadas pelo agronegócio. Procuramos entender como a sobrevivência da espécie e desses raros ecossistemas é afetada pela caça, fragmentação e perda de hábitat. O jacaré-paguá, uma das menores espécies de crocodilianos do mundo, é o predador de topo dessas lagoas oligotróficas, apresentando comportamento oportunista e generalista e atuando, desta forma, na manutenção da dinâmica desses ecossistemas fortemente ameaçados pelo rebaixamento do lençol freático causado pela irrigação em larga escala na região. Visamos avaliar como diferenças no uso do solo afetam a conservação desses raros ecossistemas e desse relevante (mas pouco estudado) predador dos ambientes aquáticos do Brasil Central. O manejo dessa espécie e dos seus ecossistemas é uma das ações prioritárias para a unidade de conservação supra-citada.

Descrição: Avaliações recentes de diversidade genética críptica nas espécies Pithecopus ayeaye, P. oreades, P. centralis e P. megacephalus indicou existência de UES. Essas espécies são endêmicas do Cerrado e especialistas de ambientes rochosos de riachos de montanhas no Brasil Central. O isolamento de populações em áreas altas, associado a mudanças climáticas, podem ter atuado na diferenciação de linhagens evolutivas independentes e com baixa garantia de proteção. Pithecopus ayeaye possui uma série de requerimentos ecológicos, tais como a presença de riachos temporários de altitude, de águas límpidas e com fluxo contínuo de água, altamente oxigenados, para o desenvolvimento de suas larvas. Estes riachos só ocorrem em regiões de altitude, em áreas de campos com afloramentos rochosos. Por este motivo, a área de ocupação (AOO) das espécies deve ser muito mais restrita do que a estimada pelos métodos corriqueiros implementados pelos grupos nacional e global de avaliação de espécies ameaçadas. Portanto, é necessário refinar a estimativa de AOO, conhecer a fragmentação e a estrutura populacional das espécies, identificar áreas de ocorrência da espécie com alta relação custo-benefício para a implementação deste tipo de UC e auxiliar na elaboração de estratégias de manejo das UCs já existentes para conservar a espécie e os campos onde ela ocorre.

Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa. 

Alunos envolvidos: Graduação (2).
Integrantes: Reuber Albuquerque Brandao - Coordenador / Rafael Magalhães - Integrante / Christine Strussmann - Integrante / Beatriz Diogo Vasconcelos - Integrante / Ana Cecília Holler - Integrante / Maria Eduarda Coelho - Integrante / Guarino Colli - Integrante / Giovanna Zerbini - Integrante / Instituto Araguaia - Integrante

Ano: 2019-Atual.