LAFUC © 2016. Criado com Wix.com

Resultados do Projeto "Preenchendo Lacunas" conduzido na Reserva Natural da Serra do Tombador (RNST), Goiás

ANUROFAUNA: Durante as amostragens foram registradas 33 espécies de anfíbios na RNST, das ordens Anura e Gymnophiona, em 10 famílias. Essa riqueza representa aproximadamente 10% das espécies conhecidas para o Cerrado e é representativa em relação a outras unidades de conservação em localidades próximas A família mais especiosa foi Hylidae (12 espécies), seguida de Leptodactylidae (nove), Bufonidae (quatro) e Odontophrynidae (duas). Aromobatidae, Craugastoridae, Dendrobatidae, Microhylidae e Phyllomedusidae foram representadas por uma espécie cada. A ordem Gymnophiona foi representada por somente uma espécie (Siphonops paulensis), pertencente à família Siphonopidae. A confirmação da ocorrência de Allobates goianus, Scinax rupestris e Leptodactylus tapiti ressalta a importância de levantamentos em áreas pouco amostradas. Dentre as espécies registradas, Allobates goianus é classificada como “em perigo” nos critérios nacionais (BRASIL, 2014) e “deficiente de dados” nos internacionais (IUCN, 2017); Leptodactylus tapiti com “deficiente de dados” tantos nos critérios nacionais (BRASIL, 2014) quanto internacionais (IUCN, 2017); e Pithecopus oreades como “deficiente de dados” nos critérios internacionais da IUCN (IUCN, 2017). Esses resultados demonstram que a região da RNST é uma das principais áreas para a conservação dos anfíbios do bioma Cerrado

RÉPTEIS: Foram registradas 39 espécies de répteis na RNST, distribuídas em duas ordens (Crocodylia e Squamata) e 17 famílias. Os répteis Squamata foram representados por três subordens: Amphisbaenia, Sauria e Serpentes. Metade das espécies citadas pelo Plano de Manejo foi registrada em nosso projeto, sendo que adicionamos 21 novas espécies à listagem local. Três espécies citadas no Plano de Manejo da Reserva foram equivocadamente inseridas na listagem. No total, 57 espécies de répteis ocorrem na RNST. Essa riqueza representa aproximadamente 21% da riqueza conhecida para o bioma Cerrado e, mesmo tendo ainda caráter preliminar, é maior do que o conhecido para a maioria das localidades amostradas no Cerrado. Novas espécies de répteis, especialmente serpentes, ainda poderão ser registradas em futuros estudos na RNST. Nenhuma espécie de réptil da RNST está nas listagens de espécies ameaçadas, mas duas espécies de répteis (A serpente Epicrates crassus e o lagarto teídeo Tupinambis quadrilineatus) estão no Apêndice II do CITES (CITES, 2015), mostrando que devem ser tomadas medidas visando evitar sua exploração na região.

ICTIOFAUNA: Foram identificadas nove espécies de peixes, pertencentes a duas ordens, cinco famílias e oito gêneros. A maioria das espécies coletadas pertencem às famílias Characidae e Loricariidae, respectivamente, refletindo o padrão encontrado nos ecossistemas lóticos brasileiros. Foi possível perceber um incremento na diversidade de espécies ao longo do gradiente altitudinal, das nascentes em direção à foz. Desta forma, é esperado que novas espécies sejam adicionadas à listagem da RNST, especialmente a partir de coletas realizadas nas porções mais à jusante do Conceição e do Santa Rita. Foi identificada na Reserva Natural Serra do Tombador a matrinchã (Brycon nattereri), espécie presente na Lista das Espécies da Fauna Brasileira Ameaçadas de Extinção vigentes (Portaria MMA nº445/2014), categorizada como Vulnerável (VU), critério B2ab(ii,iii,iv).

MORCEGOS: Registramos 20 espécies de morcegos, de 16 gêneros, pertencentes às famílias Phyllostomidae, Molossidae e Vespertilionidae. A riqueza de morcegos encontrada representa 17% da riqueza do grupo no Cerrado. A Reserva Natural da Serra do Tombador, mesmo com o curto tempo de amostragem, é a terceira localidade de Cerrado mais rica em relação à quiropterofauna, superando a biodiversidade de morcegos de outras áreas protegidas, muito melhor amostradas, como a Reserva do IBGE, o Parque Nacional de Brasília e a Estação Ecológica Águas Emendadas. Com mais esforços na Reserva, a listagem atual pode chegar a dobrar. Sete espécies de morcegos (Lonchophylla dekeyseri, Hsunycteris thomasi, Diphylla ecaudata, Glyphonycteris daviesi, Lonchorhina aurita, Myotis ruber e Micronycteris schmidtorum) foram consideradas relevantes para ações de manejo sendo que duas delas (Lonchophylla dekeyseri e Lonchorhyna aurita) são consideradas ameaçadas de extinção.

ROEDORES: Foram registradas três espécies de roedores (Oecomys bicolor, Nectomys rattus e Thrichomys apereoides) e uma de marsupial (Didelphis albiventris). Tal resultado é muito inferior à expectativa de diversidade potencial da RNST, especialmente quando comparada com a diversidade encontrada em unidades de conservação próximas. Esse resultado é consequência das coletas terem sido conduzidas durante o período de chuvas, quando as taxas de capturas de roedores e marsupiais é muito baixa. Coletas posteriores podem resolver tal lacuna de informação para a RNST. Somando a riqueza dos trabalhos realizados na RNST, Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros e Serra da Mesa, são encontradas dez espécies de marsupiais e 25 de roedores. Essa riqueza é bastante relevante, representando 43% dos marsupiais e 33% dos roedores descritos para o bioma Cerrado. Acreditamos que várias dessas 35 espécies de roedores e marsupiais devam ocorrer na RNST, sendo que destas, Thylamys velutinus e Kerodon acrobata (mocó) são vulneráveis, enquanto Euryoryzomys lamia, Oligoryzomys rupestris e Thalpomys lasiotis são ameaçadas, de acordo com a Lista Nacional Oficial de Espécies Ameaçadas de Extinção